domingo, fevereiro 26, 2006

entrou o futuro pela janela


The wind day, Shiori Matsumoto
Bêbeda de sono escrevo, em cartas, o meu futuro. Em letra disforme anuncio os grandes feitos que sei que não vou fazer. Pego numa lista telefónica de 1989/1990 que encontrei debaixo da cama da minha avó e aleatoriamente escolho os destinatários do meu futuro.

Escrevo-lhes as grandes odes e crónicas triunfais que vou escrever um dia e anuncio-lhes projectos gloriosos, eloquentes.
Bêbada de sono pego em álbuns e álbuns de selos raros que desgasto com saliva e espalho por envelopes baratos e brancos que são moradas de “ilustres desconhecidos”.
Vejam! É o meu célebre futuro que vos chega pelo correio como um folheto de publicidade barata. Um litro de bons feitos a trinta cêntimos. Leiam, leiam até ao fim que eu sou honesta.
Em pijama vou até ao marco do correio. Quando era mais pequena disseram-me que lá estava um homem dentro, agachado, com um papel onde escrevia o destino das cartas que aos correios eram confiadas. Vão para o futuro! Acente aí que quando receber venho cá pagar-lhe a vida que passou a encaminhar-me cartas.

Amanhã vou estar lúcida, é por isso mando hoje as minhas cartas. Quando amanhã me arrepender, elas já seguiram para o infinito e nenhum bêbedo como eu reconstitui completamente a noite anterior à ressaca de sonhos.

8 comentários:

Clarissa disse...

Conteúdo...que lindo!!!! Sabes eu pensei, em pequena, escrever cartas a mim própria, e recebê-las só quando fosse adulta...e percebo tão bem isto que dizes...
Beijo enorme :)

conteúdo latente disse...

E eu que levei imenso tempo a perceber que podia escrever a mim mesma? Quando finalmente entendi que as cartas´não iam ter comigo, mas sim a uma casa tive uma desilusão enorme.
mas escrevia-me sempre quando ia de férias...
beijinho

conotação disse...

Deste não gostei. Tem quebras no meio, é rugoso, não flui, aleija.
ok, ok, espera... isto não é literatura, pois não?

PiresF disse...

E pronto!.. Gosto do que escreves.
Um inicio fantástico e um final revelador de decisões antecipadas, por forma a contornar os possíveis arrependimentos.
Um abraço.

Clarissa disse...

Conteúdo...és deliciosa :)

conteúdo latente disse...

A versão literária já vem a caminho :p

´beijos aos três

barbAs disse...

gosto quando não percebo porque é que estou a chorar.
obrigado pela tinta.

Beijo grande*

conteúdo latente disse...

barbas,
é doce ter-te por aqui novamente.
obrigada, digo-te eu.
beijo azul*