quinta-feira, abril 13, 2006

IM (...)

Sabia de cór a viagem que faríamos pela Europa.
Os lugares do comboio, os livros nas malas já rotas.
A marca das garrafas de água transparente, a cor dos pés morenos.
O norte sem sinais de bússola, os trilhos sem sinais de terreno.

Acreditava que debaixo do braço, como um jornal do dia anterior,
Estava a ideia de que estaria contigo. (Vinte anos. Cinquenta. Perdidamente.)
E sobre os sapatos castanhos repousava em silencio a convicção de que as cadeiras que então ocupávamos no cinema seriam as mesmas indefinidamente.

Cheirava promessas no ar que escorria mole pelas paredes.
Tinha a certeza, tanta que já quase a acho ridícula, de que valeria sempre a pena.
Mas a pena, já quase seca, apodrece com o coração depositado no tinteiro.

Trôpegas, muito trôpegas, as palavras não dizem, não mentem, não confirmam, não partem ou chegam. Vivem como um germe lançado num aquário de vidro; Uma doença em cativeiro para curar a doença que cai inteira sobre os ombros de toda a gente.

Dentro, lá dentro, com um copo de leite morno à cabeceira, dorme, em silêncio azul, um veleiro.

7 comentários:

Clarissa disse...

Minha querida amiga...ainda sem tempo...mas o suficiente para uma leitura atenta me ter chamado a atenção para algumas gralhas...um texto lindo tem que ser cuidado.
Um beijo doce de margaridas silvestres para uma doce menina :)
Um excelente fim de semana :)

conteúdo latente disse...

Eu sei. Claro que concordo contigo Clarissa. O teclado n'ordico nao facilita o trabalho. A impossibiliddade de acentuar tambem nao. E um aspecto que tenho mesmo de melhorar.. Obrigada.

Beijinhos de violetas.
:)

conteúdo latente disse...

Problema resolvido, ou, pelo menos, parcialmente. :)
bom fim de semana Clarissa.*

debota disse...

é do tipo, eu instalei o Mozilla Firefoz para conseguir comentar aqui! xP

____


então, é daquelas coisas que... só tu*

conteúdo latente disse...

Sabes, senhora "Debota", fizeste-me sentir por momentos, importante.


É daquelas coisas que... só tu.*





Um beijinho por extenso, ~para saber melhor.

Acrónico disse...

+++++++ O MELHOR ATÉ AGORA +++++

(desculpa gritar mas foi tão bom ler o teu texto que não me contive)

A.

conteúdo latente disse...

Acrónico,

Obrigada.
Sente sempre livre para aqui gritares.

Beijinho.
CL