domingo, abril 16, 2006

Segredo

Chema Madoz, Castañuelas

Por fim, só faltavam as unhas. Passara os últimos cinquenta minutos a espalhar pela pele clara tónicos, cremes e pós; a escolher colares delicados; a encaracolar as pontas do cabelo com os dedos longos.
Sentada no chão da casa de banho limou-as cuidadosamente, tirou com carinho pequenas peles, percorreu-as com um creme transparente e pintou-as devagar. Mergulhou no pequeno frasco o pincel escuro para depois as cobrir da substância quase espelhada sossegadamente. Sabia que enquanto as pintasse não pensaria em mais nada, encostou para trás a cabeça, tocando com as costas os azulejos da parede. Sugando cada momento até à exaustão voltou a olhar-se ao espelho. Nenhum sinal de maquilhagem fora do sítio, nenhum grito de erosão, nenhum pronuncio de lágrimas.
Pegou na chave, bateu a porta, olhou a lua.
Beijou, encostando apenas as bochechas às bochechas dos amigos atentos para que o batom rosado não lhe abandonasse os lábios. E horas, muitas horas depois, quando até o bater do coração já lhe era parte do silêncio envolvente, ouviu o inicio de uma interrogação, incisiva como uma chávena de café quente,


- Tens aí o estojo da maquilhagem?
- Não… Estou borrada?
- Não, só te esqueceste de ti lá dentro.

6 comentários:

Lord of Erewhon disse...

A tua prosa é, de facto, uma delícia.
Dark kiss.

ThAlEs disse...

Parabens pelo texto , gostei mesmo tanto deste. =)
Gosto muito de ti!
*

conteúdo latente disse...

Lord e Thales,
Obrigada pela vossa visita.
Resto de bom fim de semana, um beijo.

hobbes disse...

hummmmmmmm..=)

palmas*

Clarissa disse...

A minha menina tem andado esquecida de escrever estas pérolas para que édotada...que bom que retomaste estes textos lindos :)

conteúdo latente disse...

Estas pérolas são díficeis de encontrar... mas eu, como pescadora, vou tendo paciência... :)*