quinta-feira, junho 01, 2006

Silhueta

- Mas tu não vês, que, se eu lhes mostro um projecto de mim, me mostro a mim mesma?
- Não.
- Mostro o que quero ser. Mostro aquilo que faz com que eles se sintam orgulhosos de mim.
- Perdes-te. Engana-los.
- Não. Eu sou o que gostava de ser.
- Mas aquilo que és não é só aquilo que gostarias de ser. Sabe-lo. Mas não creio que tenhas percebido. A questão não são os outros, é, sim, que quero, preciso de algo mais sólido que projecções. Adeus.

Sempre
Tudo
Tão certo
E claro
Como, de novo, o fantasma
Real
Da tua ausência,
Como o teu corpo
Sinuoso
Que entra pela janela
Para me ver cerrar os punhos
Enquanto melodiz
Até amanhã.

1 comentário:

isobel disse...

"We will become silhouettes when our bodies finally go." the Postal Service.
Lembrei-me, pelo título.
Olá.

(beijo)