terça-feira, outubro 30, 2007

Portanto, não importa.
Não importa se o mundo continua.
Mas importa,
Importa tanto
Como a existência pequenina que temos.
Cai-nos a vida ao chão,
Descobrimos que não temos vida,
Que a nossa existência pequenina
É uma inexistência, afinal.
Porque nunca salvámos ninguém
Antes de ir dormir,
Com um poema ou uma palavra
Apenas.
Nunca.
Cai-nos a vida ao chão
E o mundo segue inteiro,
Mesmo que sujo, na sua
Órbita quieta.
Assim há-de ser.

Durmo descansada pela primeira
Vez
Desde o que pareceram muitas noites.
O mundo continua intacto,
E é bom ser insignificante e miserável.

Sem comentários: