sábado, outubro 20, 2007

Um dia vou mudar-me para a aldeia que eu sou,
E visitar os arranha-céus que crescem
Em todas as minhas sombras.
Vou mudar-me para a aldeia que sou no dia em que a encontrar.
E hei-de morrer sempre na véspera desse dia.

Sem comentários: