sexta-feira, novembro 30, 2007

Gostava de ter mãos
Que te pudesse dar.
Gostava de não ter medo
De dizer que te amo,
Porque amo,
E quero para ti
Um mundo muito longe
Dos meus abismos
Invisíveis e infinitos.
Gostava de poder
Amar-te,
Mas amar já me matou
Vezes de mais.
Desculpa.
Não quero que,
Como outros,
Acabes a brincar nos
Penhascos de mim,
E vás embora
Em lágrimas.
Não te posso amar,
Porque não suporto
Ter de dizer adeus
A mais alguém.

2 comentários:

Ophelia Queiroz disse...

Espero que não tenhas de escrever mais nenhum poema semelhante a este durante a vida.

Mariana disse...

Prefiro brincar nos teus abismos.
Não deixo de te amar. Nunca.