quinta-feira, novembro 01, 2007

Hoje é dia de mortos.
Queria ir sentar-me a um cemitério
Branco
Com os meus, e deixar-lhes flores.
Mas todos os meus mortos estão
Vivos,
E a esperança de que voltem a mim
Não lhes fez uma
Campa.
Queria ir sentar-me ao pé dos meus mortos,
Mas tenho de esperar,
E fico sem flores
Num país em que não há
Chão para me sentar.
Hoje é dia de mortos,
E nem a esperança me morre
Nas mãos.
É dia de mortos.
Não há campas
E dói o Sol que entra inteiro
No cemitério que sou.
Queria chorar.


2 comentários:

Ophélia Queiroz disse...

Tudo isso porque não queres que morram.

barbAs disse...

Se tens de te agarrar a alguma coisa que esteja sempre la, agarra-te a esta coisa especial de me saberes fazer chorar. Tenho muita confiança em ti, mas nao quero estragar tudo o que ainda tens de ver para saberes o segredo que hoje já te sei contar e é afinal tão simples.
Beijo*