domingo, março 02, 2008

Aos que foram.

Foi tristeza, cansaço talvez.
Se os amigos morrem, porque
Não hão-de morrer os sonhos?
Foram, e os dias são de lágrimas,
Porque não podia deixar
De ser assim.
Foi tristeza, desistir somente?
Ou a coragem de não
Se quererem habituar ao silêncio
Por entre os acordes demasiado densos?
Foram.
Fica a possibilidade de um sopro,
De um primeiro violino,
De um colo dentro de um eu de lágrimas.
Fica uma voz sempre uma oitava acima,
Porque era alta. Demais?
Quando os dedos cansados não querem mais,
E paro, oiço-vos de olhos fechados.
Foram,
Mas ninguém vos leva.
Foram,
Fica um grito de porquê e uma promessa
Que nunca chega, repetida nos ecos
Do que poderia ter sido.
Dentro, tão dentro,
Tão por desvendar:
Adeus.

Sem comentários: