terça-feira, junho 28, 2011

Despedida

Enterra-me numa colina de onde se veja
O mar,
Num canto do teu corpo que não visites
Jamais.
Se me puderes dar verdadeiramente algo,
Quero só a terra e as pás.
E se não for pedir demais,
Quero morrer sem caixão, numa colina onde se possa ver
O mar.

Sem comentários: